domingo, maio 22

FAMILIA PERDIDA



Estava eu no facebook, quando me aparece um fulano uma pessoa fazendo perguntas sobre o meu sobrenome, a minha familia, as minhas origens.

O tal tambem era Ramalho, e eu, que sou antipatica, prepotente e metida a besta  reservada, fiquei com o pe atras em interagir com ele.

Meu cerebro neurotico  super cuidadoso ja foi a mil por hora:

O que ele quer de mim? Por que ele esta me procurando? O que esta acontecendo aqui? Qual e a agenda escondida dele? Hem? Hem?

Mas o menino era insistente:

- Oi! Eu tambem sou Ramalho, estou procurando outros Ramalhos

e eu com isso??

- Minha familia e de Guaracy. Nos somos uma familia grande.

ai que sono

- Estou tentando procurar nossos familiares, estou refazendo a minha arvore genealogica

quando e que eu vou contar pra ele que Ramalho existem aos montes? Sera que ele se acha aparentado da Elba e do Ze tambem? Liga pra eles, vai la...

- Minha familia e originalmente de Lindoia. Voce conhece alguem de la, tem alguma relacao com essa parte da familia?

- Eu sou de Lindoia. Tenho certeza que vc ja sabia, so esta me sacaneando, jogando a isca pra eu pegar...

- Jura? Que otimo! Voce conhece ou ja ouviu falar da Sophia?

- Nao.

- Conhece alguem que possa me ajudar?

Pra encurtar a conversa, prometi perguntar pro meu pai. E como promessa e divida, perguntei mesmo. Meu pai nao tinha a menor ideia de quem era Sophia, mas prometeu perguntar pra minha avo, quando fosse visita-la.

Acontece que a minha avo era irma do marido da Sophia ( se e que eu nao entendi tudo errado). Esse irmao ficou desempregado, se desesperou e se jogou de um onibus em movimento. Deixou a Sophia e DOZE filhos.

Conta a lenda que a Sophia era uma mulher muito bonita ( mesmo depois de DOZE criancas?) e ela comecou a se corresponder com um fazendeiro de Guaracy ( tao vendo onde eu estou chegando?).

Pois o cara se apaixonou por ela, pegou a filharada mais a mulher linda e levou todo mundo pra fazenda dele. Alguns filhos nao se adaptaram e voltaram para Lindoia, outros fizeram seu ninho em Guaracy.

O Carlos Ramalho, que me encontrou no facebook, e na verdade meu primo. E eu nem sabia da existencia dessa ala da familia.

Como nem todo Ramalho e antipatico como eu, a minha recem descoberta parentada tem sido super, ultra simpatica comigo desde entao. E pra agradecer a gentileza e o carinho, em julho, quando eu for ao Brasil, vou a Guaracy, conhecer a minha familia perdida.

:-)

11 comentários:

  1. Puxa.que legal essa história! Elas são sempre interessantes!

    Vais ser legal esse encontro,né?

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Nossa Inaie!!!
    Que história linda!
    Voce tem razão em se preservar, a gente nunca sabe quem está do lado de lá do computador né?
    Mas quanto tem que ser, não tem jeito, tudo dá certo, como deu com voce...que bom! né?
    Hoje já é domingo...bem de tardinha.
    Vim te desejar uma semana tranquila e muito feliz.
    bjs
    Tina (SONHAR E REALIZAR)

    ResponderExcluir
  3. Que bacana essa estória Inaie! Mas tive que rir do seu jeito contando...rsrs Menina do que essa internet é capaz...impressionante! Eu andei procurando parentes italianos, mas ainda não era do FB...vc me deu uma boa ideia! Beijão, bom encontro com a parentada nova!

    ResponderExcluir
  4. Agora vale dizer: como o mundo é pequeno!!!
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  5. Como eu sou uma pisciana super coração mole achei a história linda ( tirando o cara que se jogou do onibus)
    Também amei seus comentários lá no blog. Valeu mesmo o apoio querida!
    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  6. Inae, eu também ficaria com o pé atrás, mas adorei a história de Sophia! Vá conhecer a família perdida e depois conta pra gente.
    bjs e boa semana
    Jussara

    ResponderExcluir
  7. Adorei o post, Inaie ... eu entrei em contato com você em 2004 e desde então a amizade à distância superou até mesmo o parentesco! :)
    A história da nonna Sophia é muito poética mesmo ... perdeu o marido português em um acidente, mas conheceu por carta o fazendeiro italiano que vivia no sertão paulista ... e aqui estamos nós!! :)

    P.S. Eu também tive meus comentários internos ao conversar com você ... afinal, tem coisas que são de família! ;)

    Carlos Eduardo O. Ramalho

    ResponderExcluir
  8. Eu tive que rir ^^/
    Eu tbm ia ficar com um pé atrás, ainda bem que ele é da família!

    Bjus!

    ResponderExcluir
  9. hehehe Bem interessante essa historia ..Adorei o inicio..Sera que vc nao e´ realmente parente da Elba..sei nao viu O mundo e tao pequeno::beijosssss

    ResponderExcluir
  10. Mas que bacana heim??
    Confesso que já fui um "Carlos" à procura dos primos perdidos. Aqui na Alemanha é sacanagem, pois Hagemann = Silva rs

    Engraçado, ontem mesmo eu estava neste site:
    https://www.familysearch.org/

    Beijins!!

    ResponderExcluir
  11. Inaie, eu entendo seu sentimento... é que a gente, q mora fora, mtas vezes tem mta gente que se aproxima da gente pra torrar o saco né. sempre aparece um que quer saber (e fica enchendo pra ouvir a resposta que a pessoa quer) se aqui no Japão come barata, se isso , aquilo, se conheço o cicrano que veio pra cá (e ir lá visitar, perguntar por ele, essas coisas). fora os que querem pedir coisas pra gente enviar (o que é q custa pra vc?)

    afff

    mas que foi bacana foi, rs. pelo menos vc agora tem mais parentes que nem sabia! hahaha. e a história da Sophia deveria virar livro, ela deve ter sofrido mto

    bjs e boa semana

    ResponderExcluir