sexta-feira, abril 13

Doncovim III - A moto/ Therapy - my bike


Na ultima sessao, no ultimo post, estavamos no meu segundo ano de faculdade. Eu tinha 18 anos e fui trabalhar por que meu pai nao quis me dar uma moto de presente. Passei a faculdade para a noite e fui trabalhar numa distribuidora da 3 M.
Poucos meses depois, a melhor vendedora da empresa saiu, a minha distribuidora me deu o trabalho de segurar os clientes dela. Fui a luta, liguei para todo mundo, me apresentei, joguei com todas as armas que eu tinha.
Menos de uma semana depois recebi uma proposta da empresa para onde ela tinha ido. A Sao Judas tadeu era na epoca, a maior distribuidora de lixas da 3 M. So tinha um probleminha - o escritorio era em Piracicaba.
Maluca, descompensada com sou, aceitei o trabalho e durante alguns meses eu acordava super cedo, ia de Campinas a Piracicaba ( de onibus), voltava e ia direto para a faculdade. Chegava em casa super tarde.
Quando eu mudei para o periodo noturno, minha mae prestou vestibular e comecou a fazer turismo na PUCC - no mesmo campus, no mesmo predio onde eu cursava a minha faculdade.
Agora me responde, ela pegava pesado ou nao pegava?
Foram tres anos com a mamae na faculdade - bem na sala ao lado.
Quando eu consegui juntar o dinheiro para comprar a minha moto, meu pai veio falar comigo:
- Voce diz que vai comprar mesmo a moto.
- Vou.
- Ja juntou dinheiro suficiente?
- Ja.
- Deixa eu ver a sua conta bancaria.
Mostro o extrato.
- Deixa que eu pago a moto. Eu nao queria que voce tivesse uma, mas como nao tem jeito, deixa que eu pago...
E la fui eu tirar carta de motorista. O acordo era simples. Ele ia me dar a moto, mas eu tinha que tirar a carteira de motorista e usar capacete.
Compramos a moto numa cidade vizinha, ela chegou ao meu apartamento de caminhao. Foi entregue na porta de casa. Linda! Uma CG 125 verdinha. O nome dela era Emilia - como a Emilia do Sitio do Pica Pau Amarelo.
Liguei pro meu pai pra avisar que a moto havia chegado.
- Nao saia de casa.
- Ok.
Desligamos
Liguei de volta. A secretaria dele atendeu
- Oi. Avisa o meu pai que eu mudei de ideia, que eu vou sair com a moto sim.
- fala com ele, inaie, ele esta aqui.
- nao precisa nao. So da o recado.
Sai para comprar o capacete ( nao, eu nao tinha capacete). E as aulas da auto escola eram tao ruins que eu sabia fazer 8 em volta dos cones, mas nao sabia mudar marcha e nao sabia parar a moto. nao deu outra, atropelei um carro num cruzamento movimentado.
Assim que me socorreram pedi para usar o telefone
- Alo, mae?
- Perai. fala com o seu pai.
Sim, assim que o meu pai recebeu o recado ele pegou o carro e foi pra casa. Ele trabalhava em Sao Paulo, nos moravamos em Campinas. Quando eu liguei ele estava entrando em casa.
- Pai?
- Quebrou o chifre, Inaie?
- Quebrei.
- E agora?
- To indo pro Vera Cruz ( hospital), a ambulancia ja esta vindo. Alguem tem que ir me buscar.
A moto deu perda total. Meu pai ficou tres dias sem falar comigo. Minha mae foi me buscar no hospital - eu so quebrei a perna ( e fiquei 5 meses engessada).
Quando eu ainda estava com a tala na perna e nao podia me locomover, meu pai evitava entrar no meu quarto. Passou dias sem ir me ver, eu so o via passando na porta do meu quarto. Chamava e ele nao respondia. No terceiro dia eu chamei e ele veio.
- Pai?
- Fala
- Pai, nao vende a minha moto?
- Quer se matar se mata - eu nao tenho mais nada a ver com isso...
E saiu de novo do quarto. A moto estava no seguro, a seguradora pagou e eu voltei a ser motoqueira...ou deveria dizer que ai eu aprendi a ser motoqueira!


In the last session, in the last post, I was  my second year at university. I was 18, transfered my course to night shift, got myself a job because my dad did not want to give me a bike.
My first job was in sales for a 3M distributor.
A few months later, the company's best sales person left the business, my boss gave me her clients and the task to keep them.
I fought hard, I called everyone, I did my best and Iused all weapons I knew.Less than a week later I received a job offer from the company where she had gone. Sao Judas ( that was the company name)  was the largest distributor of 3 M abrasives. I was headhunted at the age of 19. There was only a little problem - their office was in Piracicaba. I lived in Campinas 75 km awayI took the job and for a few months I woke up super early, went from Campinas to Piracicaba (by bus), came back and went straight to university. I got home super late, just to start it all over again the next morning.When I started my evening course, also decided to enrol and have an university degree. She chose tourism - on the same campus, in the same building where I was studying jornalism.
Tell me if you think she played an easy game...
For the next three years I had my mother as a colleague at university.When I finally got enough money to buy my bike, my father came to me:- I heard you will buy the bike.- Yep.- You saved up enough money?- Yep.- Let me see your bank account statement.I showed it to him. He looked sad.- I will pay for it. I did not want you to have it, let me pay ...
The deal was simple. He would give me the bike.I had to get my driver's license and wear a helmet.
He bought the bike in a nearby town, it was deliverd to our house by truck. It was gorgeous!
Her name was Emilia.
I called my dad to let him know the bike had arrived.
- Don't leave home.- OkWe hung upI called back. His PA answered.
- Hi! Please tell my father I changed my mind, I'm going out on the bike did.- Talk to him, Inaie, he is here.- I don't need to talk to him. Please just pass on the message, please.
I went out to buy a helmet (no, I had no helmet). And the driving lessons were so bad I could do 8 around the cones, but did not know how to change gear and I could not stop the bike. As it would happen
, I hit a car at a busy intersection.As soon as I got help, I asked to use a phone.- Hello, mom?- Wait. Talk to your dad.
Yes, as soon as  my father got the message he drove home. He worked in Sao Paulo, we lived in Campinas ( 120 km).
When I called home he was already there.- Dad?- Crashed already, Inaie?- Yep.- What now?- I am going to  Vera Cruz (hospital), the ambulance is already on it's way. Someone has to pick me up there.The bike was totaled. My father didn't talk to me for three days. My mom picked me up from hospital the same day - I just broke my leg (and I was 5 months in a cast).When I was still wearing the splint on my leg and could not move, my dad avoided coming into my room. He spent days without going to see me, I just saw him passing in front of my bedroom and going to his.I called and he did not answer. On the third day I called and he came.- Dad?- Hum?- Dad,  please don't sell my bike.- You want to kill yourself kill yourself - I do not want anything to do with it ...He left the room again. The bike was insured, the insurance paid and I went back to biking ... or should i say I learned to be a biker?

7 comentários:

  1. Mãe na faculdade?
    Eu fiz vestibular com 15 anos (é, era meio nerd) e tive que "dar cola" pra minha mãe em plena prova. Eu fiquei em segundo lugar e ela +- entre os 20 primeiros. Levei bronca por não passar todas as respostas corretas!!!! Pode?
    Depois tive que aguentar ela um semestre inteiro na minha sala de aula, tomando conta de mim... imagina o mico diário?
    Ainda bem que sempre nos demos bem, senão...

    ResponderExcluir
  2. Inaie, ótima essa postagem terapêutica. Você é mesmo um barato. Adoro ler seus textos e observar sua disposição para tudo.
    Um abraço.
    Manoel.

    ResponderExcluir
  3. Eu tb tive uma CG 125, azul e o nome era magrela, pra lembrar a bicicleta. Mas, eu só cai mais de um ano depois e nem foi barbeiragem, tá? e nao quebrei nada... só ralei o braço. hahahahahaha

    ah, e meu pai só ficou sabendo depois que eu comprei.

    somos gêmulas, quase. ;)

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. rs aventuras!
    mas faz parte né, rs, ainda bem q nada de muito grave te aconteceu!
    e viva a Vida!
    bom fim de semana Inaie

    ResponderExcluir
  5. Hahahaha! Já tô imaginando a ligação que vc vai receber da sua mãe com as correções da história... ;)

    ResponderExcluir
  6. ahahahahahhahaahaha

    Atropelar um carro logo no primeiro dia? Ai, ai, ai!!

    ResponderExcluir
  7. Como assim... SÓ QUEBROU A PERNA? Hahahahahahaha. Parece que todo mundo q anda de moto q eu conheço quebra a perna!

    www.falagrasi.blogspot.com

    ResponderExcluir